Quartas, às 24h, na TV Brasil
(Canal 2, 18 NET, 166 SKY)
DIRETO DO TWITTER: 

Assista aqui o último programa na íntegra!
Natália Lage entrevista o documentarista, roteirista, diretor e montador Pedro Asbeg.
Programa - 87/797 - 03-03-12
REVISTA - A MAGIA

O cinema, há anos, entra em nossas vidas, imprimindo linguagens e ritmos próprios. Não nos lembramos quando aprendemos a decodificar sua gama de técnicas que nos levam a mundos diversos, sendo estes vividos a 5 milhões de anos atrás ou num futuro quase inimaginável. Existe uma magia no ritual de adentrarmos na sala escura e nos posicionarmos nas cadeiras pacificamente. Para aqueles que deixam de ser apenas espectadores e passam para trás das câmeras, esse ato passa a ser de suma importância para a compreensão de um ofício.

Sabemos que a arte cinematográfica é cara para os bolsos, mas conforta o coração fazê-lo. Atualmente, andamos pelas ruas apressados, sem minutos para nos observarmos. O ser humano trouxe a tecnologia, um avanço sem precedentes, eu sei, ela fez com que o próprio cinema se tornasse mais democrático, mas nos tornou quase autômatos, marionetes do tempo. É nesse desvio que o cinema surge. A arte faz com que nós contemplemos e reflitamos sobre nossas rotinas, nosso dia-a-dia e nossas relações. Usando uma lupa, peço: olhemos para esses novos diretores, eles têm um olhar pertinente e voraz sobre essa vida que nos escapa a cada segundo.

Os diretores estreantes entrevistados revisitam os laços afetivos e procuram, esteticamente, a riqueza, não de uma nova linguagem, mas de uma técnica que está a serviço da idéia de contar uma estória. Pela fala de Rodrigo Bittencourt, Letícia Simões, Roberta Marques, João Rodrigo Matos e Luciano Moura, temos noção desse panorama de observação do ser humano bem traçado e nos apontando para um cinema de autor que fala das questões mais profundas da nossa existência, seja ele através do humor ou do drama.

É uma verdadeira lufada de ar nos colocarmos diante dos filmes vindouros desses realizadores e perceber que eles representam o futuro dessa arte em nosso país. Todos transparecem aquela sensação do ritual já contextualizada anteriormente, e mostram-nos que a força de contar uma estória e a entrega que o cinema exige é a principal mola propulsora de seus trabalhos. Desde o vislumbrar de uma idéia, a escolha de uma equipe até chegar a uma ilha de edição, o processo é longo, mas o que move a persistência desses diretores é a magia e o que nos move, quanto espectadores, é um bom filme.

Marianna Rhosa


REALIZAÇÃO
image
EQUIPE
REVISTA DO CINEMA BRASILEIRO é uma produção independente, em co-produção com a TV pública brasileira - TV Brasil, focada na diversidade do audiovisual brasileiro.
APOIO TÉCNICO


Desenvolvido por HERCULA