O dia 22 de abril de 1500 marca o descobrimento do Brasil pelos portugueses. A já conhecida história do grupo liderado por Pedro Álvares Cabral que saiu rumo às Índias e acabou desembarcando na América do Sul é tema para produções nacionais de diversos estilos: animações, comédias, documentários entre outros estilos narram de formas diferentes, o período em que o grupo de europeus encontrou uma terra de solo fértil, clima tropical, biodiversidade e habitada por grupos indígenas. Confira aluns títulos do cinema brasileiro que contam sua versão dessa história:

“O Descobrimento do Brasil” (1936)

O Filme do diretor Humberto Mauro narra à partir da saída das tropas de Cabral rumo às Índias, os prováveis acontecimentos que antecederam o descobrimento do Brasil pelos portugueses. A trilha sonora original é de Heitor Vila-Lobos e o filme foi produzido com o apoio do governo federal da época. A produção do longa teve algum cuidado com a fidelidade aos fatos e inclusive cita trechos da carta de Pero Vaz de Caminha e apresenta como teria sido a primeira missa em solo brasileiro.

“Caramuru, a Invenção do Brasil” (2001)

O filme dirigido por Guel Arraes, conta a história de Diogo Álvares, único sobrevivente de um naufrágio por volta de 1510, sua história é repleta de mitos e fatos que não se podem confirmar, mas há um consenso sobre a importância do português no estabelecimento de negociações entre os indígenas brasileiros e os europeus. Diogo Álvares foi acolhido pelo povo Tupinambá que o batizou como Caramuru, Diogo casou-se com Paraguaçu uma das filhas do líder da tribo. O filme utiliza do tom bem-humorado para retratar alguns acontecimentos e costumes da época como o modo de vida nas tribos e a poligamia.

“Desmundo” (2003)

Em Desmundo, a história se passa por volta de 1570, período em que a colonização portuguesa já havia avançado consideravelmente. O filme aborda diversos tema relevantes na construção do Brasil que conhecemos hoje, o tema do filme relata o período em que a coroa portuguesa enviava moças órfãs para o Brasil com o objetivo de arranjar casamentos entre elas e os colonizadores portugueses, tentando diminuir o número de casamentos dos portugueses com as índias brasileiras e o número de filhos desses relacionamentos. A produção é dirigida pelo francês Alain Fresnot e um fato curioso é de que os diálogos são em português arcaico.